Escolha uma Página
O Enigma de Outro Mundo | Pilotos alienígenas da nave que caiu na Terra seriam vistos na prequela de 2010

O Enigma de Outro Mundo | Pilotos alienígenas da nave que caiu na Terra seriam vistos na prequela de 2010

por | fev 14, 2024 | Filmes, Notícias

Idioma: Português Português Inglês Inglês Espanhol Espanhol

5
(2)

No horror cinematográfico, poucos filmes se cristalizaram nos moldes de um clássico tão perfeitamente quanto a obra-prima de John Carpenter de 1982, “The Thing”, protagonizado por Kurt Russell. Inicialmente recebido com uma recepção fria e sendo deixado em segundo plano com a chegada do blockbuster E.T. O Extraterrestre de 1982, ficção científica familiar de Steven Spielberg.

“The Thing” resistiu à tempestade de críticas negativas para se tornar um fenômeno cult com o passar dos anos. Mas o seu legado arrepiante não termina aí; em 2011, uma prequela de mesmo nome procurou desvendar os segredos congelados da entidade alienígena que Carpenter apresentou ao público três décadas antes.



Este artigo irá mergulhar no abismo de ambos os filmes, revelando os alienígenas conceituais que alimentaram a narrativa e as ideias descartadas que quase remodelaram o terror intergaláctico da prequela.

“The Thing”, de Carpenter, é um filme repleto de isolamento e suspeita. Situado no inferno branco da Antártida, a história gira em torno de um grupo de pesquisadores americanos que encontram um organismo extraterrestre que muda de forma, capaz de assimilar e imitar qualquer ser vivo. O ambiente de paranóia é palpável, com o filme revelando um medo primordial de confiança traída – o que acontece quando você não consegue mais distinguir amigo de inimigo?



O clássico do cinema de horror e ficção científica “The Thing” (1982), de John Carpenter, nos apresenta a uma criatura alienígena parasita de forma mutável, capaz de imitar perfeitamente qualquer ser vivo que assimila. Essa criatura, originária de outro planeta, representa um terror primal e existencial, pois coloca em dúvida a própria identidade e confiança entre os personagens.

"The Thing" (1982), de John Carpenter

A “Coisa” chega à Terra em uma espaçonave, testemunhada apenas brevemente nos créditos de abertura do filme de Carpenter. Este OVNI, descoberto pela equipe norueguesa da estação Thule, guarda segredos envoltos em gelo antigo, datado em aproximadamente 100 mil anos atrás. Torna-se evidente que o ocupante do ONVI não é a criatura congelada, mas vítima do parasita que mais tarde ameaçaria a tripulação americana.



A criatura em si é um ser amorfo, gelatinoso e sem forma definida. Ela é capaz de se transformar em qualquer ser vivo que assimila, imitando perfeitamente sua aparência, comportamento e até mesmo suas memórias. Essa capacidade de mimetismo torna a criatura extremamente perigosa, pois é impossível saber quem está realmente infectado. Além disso, a criatura também possui força sobre-humana e resistência a temperaturas extremas.

Quase três décadas depois, o diretor Matthijs van Heijningen Jr. aventurou-se de volta a “The Thing” na forma de uma prequela. Intitulado de forma idêntica ao clássico de Carpenter, o filme centra-se no acampamento norueguês e no catastrófico primeiro contato com o alienígena. Aqui ficamos mais perto de compreender as origens da espaçonave e seus habitantes originais antes da assimilação da criatura.




Nas primeiras versões do roteiro e nos estágios de pré-produção, a prequela pretendia introduzir uma raça inteiramente nova de alienígenas – aqueles que pilotavam a espaçonave antes de serem assimilados pela “Coisa”. De acordo com as arte conceitual e entrevistas com a equipe de produção, esses pilotos extraterrestres foram concebidos como seres colossais, com estética biomecânica e sistema de visão triocular peculiar.

A prequela de The Thing, de 2010, planejava mostrar diferentes lados desses pilotos – restos mumificados, um piloto vivo e a horrível transformação em um impostor da Coisa. Esperava-se que o encontro do piloto ao vivo com a protagonista da prequela, Kate Lloyd, fosse um momento culminante, onde as conexões entre o piloto e a espaçonave fossem cortadas em uma batalha feroz pela sobrevivência.

Em entrevista, a Monster Legacy perguntou aos diretamente envolvidos – Alec Gillis, cofundador da Amalgamated Dynamics Inc (studioADI), sobre os efeitos especiais:

O Piloto era a Coisa que reproduzia perfeitamente as espécies de alienígenas que construíram o disco. Ele foi substituído após uma exibição que aparentemente confundiu os espectadores sobre o que era o Piloto. Sentiu-se que, uma vez que o público só tinha visto iterações da Coisa que eram assimétricas, abertas e terríveis, apresentar uma criatura que parecia ter evoluído através da biologia normal era uma violação do que tinha sido visto no filme de 2011 como bem como o filme de John Carpenter. Foi então decidido que a Coisa no clímax precisava ser mais “parecida com uma Coisa”. Projetamos o Sander-Thing como uma maquete que foi digitalizada e animada.”

A história original que o diretor desenvolveu para o filme concebeu o Piloto como sendo de uma raça alienígena espacial. Uma equipe científica composta por membros desta espécie coletou formas de vida de diferentes planetas, armazenando-as em cápsulas de pesquisa. Involuntariamente, os cientistas levaram a Coisa – disfarçado de outra forma de vida – a bordo. A entidade se libertou e causou estragos na nave espacial, assimilando tanto os pesquisadores alienígenas quanto os espécimes que eles coletaram. Último tripulante restante, o Piloto fez a nave bater de propósito, com a intenção de matar a Coisa. A criatura sobrevive, sai da nave e foge – apenas para parar a algumas centenas de metros de distância e congelar.





Ao entrar na espaçonave, Kate vê os restos mumificados do Piloto e é emboscada pelo Coisa, que assumiu a forma da raça Piloto. Isto acontece porque a nave espacial é controlada através de uma interface neural que emprega tecnologia biomecânica: o Piloto liga-se à nave através de uma série de “cordões umbilicais” ligados a portas nas suas costas. Esses foram chamados de “bioportos” (uma reminiscência de um sapo do Suriname, segundo o artista conceitual e escultor Paul Komoda). Tendo imitado a forma do Piloto, a Coisa é assim capaz de reiniciar a nave espacial por motivos próprios, obscuros e talvez incompreensíveis. Quando ataca Kate, os cabos se soltam das costas do monstro. Várias possibilidades foram exploradas em arte conceitual e esculturas, incluindo os tentáculos característicos do Coisa rompendo o peito da imitação do Piloto.

Um Carter assimilado chega ao interior da nave, onde Kate está ameaçando o Coisa com sua última granada (paralelamente a MacReady no filme de Carpenter). O movimento mais conveniente para o Cater-Thing é colocar fogo no Piloto alienígena assimilado, a fim de ganhar a confiança de Kate no que de outra forma teria sido uma situação em que todos perdem. Van Heijningen comentou, dizendo que “Carter entra correndo e vê o que ela [Kate] está fazendo, e explode o Sander-Thing, apenas para convencer Kate de que ele é humano: ele basicamente não tem escolha, porque se ele atacasse Kate com seu lança-chamas, todo mundo teria explodido.

Apesar dos grandes planos, os pilotos alienígenas tragicamente nunca chegaram à versão final da prequela de 2011.

Criado pelo estudio de efeitos especias práticos, studioADI, A ideia foi descartada devido a reações adversas do público-teste e a preocupações orçamentárias. O piloto foi substituído por uma representação holográfica que se afastava do visual grotesco estabelecido da formas vistas anteriormente do Coisa das criaturas assimiladas. A criação digital que finalmente apareceu no filme não conseguiu atingir o terror palpável dos efeitos práticos, uma decisão lamentada por alguns críticos e fãs.

Ambos os filmes “The Thing” permanecem como monólitos gelados no continuum do terror, apesar de suas recepções distintas. O original de Carpenter continua a ser um alinhamento arrepiante de suspense, efeitos grotescos de criaturas e o terror absoluto do isolamento. A prequela, embora não tão reverenciada universalmente, tentou preencher lacunas e explorar narrativas que fizeram os fãs especularem durante anos.

Embora os pilotos alienígenas tenham sido descartados do produto final, a impressão de sua existência continua a intrigar os entusiastas e a contribuir para o mito do filme. Nas profundezas geladas que Carpenter e van Heijningen exploraram, as implicações de um universo mais amplo repleto de antigos astronautas e horrores interestelares continuam a agitar a imaginação, tal como a própria Coisa – latente e à espera abaixo da superfície.

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação 5 / 5. Número de votos: 2

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.


Outros artigos que você possa se interessar




Diversão: Quizes

Review de Filmes e Séries

Filmes e Séries

Livros e Quadrinhos

Nação Zumbi: Uma Antologia de Contos – Pris Magalhães

Nação Zumbi: Uma Antologia de Contos – Pris Magalhães

Nação Zumbi é uma coleção visceral que explora os confins mais sombrios da humanidade através das lentes de um apocalipse zumbi. Nação Zumbi, um tributo a George A. Romero, contos de Pris Magalhães Sinopse Nação Zumbi Nas ruínas de São Paulo, uma cidade outrora...

Ciência e Tecnologia